DV na Mídia

Notícias sobre o Projeto DV na Trilha, em mídias, por todo o país.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Uma personagem põe-se a lembrar da mãe, que era danada
de brava, mas esmerava-se na hora de fazer dois molhos
de cachinhos no cabelo da filha, para que ela fosse bonita pra escola.

\\"Meu Deus, quanto jeito que tem de ter amor\\".
É comovente porque é algo que a gente esquece: milhões
de pequenos gestos são maneiras de amar.
Beijos e abraços são provas mais eloqüentes, exigem
retribuição física, são facilidades do corpo.

Porém, há diversas outras demonstrações mais sutis.
Mexer no cabelo, pentear os cabelos, tal como aquela
mãe e aquela filha, tal como namorados fazem, tal como
tanta gente faz: cafunés.

Amigas colorindo o cabelo da outra, cortando franjas,
puxando rabos de cavalo, rindo soltas.
Quanto jeito que há de amar.

Flores colhidas na calçada, flores compradas, flores
feitas de papel, desenhadas, entregues em datas nada especiais:
\\"lembrei de você\\".
É este o único e melhor motivo para azaléias, margaridas, violetinhas.
Quanto jeito que há de amar.

Um telefonema pra saber da saúde, uma oferta de
carona, um elogio, um livro emprestado, uma carta
respondida, uma mensagem pelo celular, repartir o que
se tem, cuidados para não magoar, dizer a verdade
quando ela é salutar, e mentir, sim, com carinho, se
for para evitar feridas e dores desnecessárias.
Quanto jeito que há de amar.

Uma foto mantida ao alcance dos olhos, uma lembrança
bem guardada, fazer o prato predileto de alguém e
botar uma mesa bonita, levar o cachorro pra passear,
chamar pra ver a lua, dar banho em quem não consegue
fazê-lo só, ouvir os velhos, ouvir as crianças, ouvir
os amigos, ouvir os parentes, ouvir.
Quanto jeito que há de amar.

Rezar por alguém, vestir roupa nova pra homenagear,
trocar curativos, tirar pra dançar, não espalhar
segredos, puxar o cobertor caído, cobrir, visitar
doentes, velar, sugerir cidades, filmes, cd\\''s, brinquedos, brincar...
Quanto jeito que há.\\"

Texto de autoria de Adélia Prado e enviado para a lista de discussão do Projeto DV na Trilha, em, 28Jul2010, por Marcos Vieira(Chambinho), com as seguintes observações:

Eu acrescentaria mais algumas coisas, tipo:
Levar para passear,
\\"ensinar\\" a pedalar,
ser os olhos numa aventura,
ser o companheiro que te segura...

Marcos Vieira
(Chambinho)

Imagem de Adauto e Weimar, ao fundo, ligados por uma corda no braço, correndo sobre um solo irregular, de cascalho e ao redor, uma mata

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A primeira aventura de Weimar e Adauto foi uma viagem. Partiram de Brasília com destino a Paraty, em uma bicicleta dupla, para desbravar o Brasil. Foram 1700 km de causos, aventura, superação, e o início de uma grande amizade. O segundo projeto da dupla foi ainda mais ambicioso: Atravessar correndo o pantanal da Nhecolândia, no Mato Grosso do Sul, próximo à cidade de Corumbá, um dos maiores refúgios da vida silvestre no Brasil. 


A primeira aventura de Weimar e Adauto foi uma viagem. Partiram de Brasília com destino a Paraty, em uma bicicleta dupla, para desbravar o Brasil. Foram 1700 km de causos, aventura, superação, e o início de uma grande amizade. O segundo projeto da dupla foi ainda mais ambicioso: Atravessar correndo o pantanal da Nhecolândia, no Mato Grosso do Sul, próximo à cidade de Corumbá, um dos maiores refúgios da vida silvestre no Brasil. Numa parceria da Desbrava com Cinevideo e direção de Caetano Curi, o documentário feito para a TV tem 52 minutos, e retrata a saga repleta de desafios, superação, planejamento, a fauna e a flora pantaneira, além da insana proposta: correr 120 km ininterruptamente, em menos de 24 horas.

{youtube}rZsM5bYlqw8{/youtube}

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Queridos amigos,

2009 chegou e já começamos com uma notícia maravilhosa.

Ontem, dia 29/01/2009, às 7:00hs da manhã, partiram rumo a Paraty, a dupla Adauto, deficiente visual do Projeto DV na Trilha, e Weimar. Eles percorrerão um total de 1627 km em 18 dias. Só ontem foram 160 km de pedal!

Embora não faça parte das atividades do Projeto, e até por isso, entendemos esta super aventura como a prova de que os nossos objetivos estão se realizando. Afinal, o que mais buscamos é a integração social, promovendo superações, por meio da prática do ciclismo. E é o que está acontecendo.

Na página do Desbrava é possível saber detalhes e o roteiro da cicloviagem: www.desbrava.com

Acreditamos que nossa participação, por meio de telefonemas e recados na página do Desbrava, será uma força importante para o Adauto vencer mais este desafio. O telefone do Weimar é: 61 8125- 1500.

Agradecemos e parabenizamos a todos que têm contribuido para que o Projeto DV na Trilha possa \\\"plantar sementes\\\" e ver multiplicarem- se as iniciativas de conquistas e superação de preconceitos e dificuldades! !!!

À Coordenação do Projeto, aos nossos condutores, amigos e apoiadores: muito obrigada!!!! !!!!!

Adauto e Weimar, boa viagem. Estamos com vocês!!!!!

Grande abraço a todos,

Simone Cosenza
Coordenação do Projeto DV na Trilha


Um pouco da trajetória do Adauto no
Projeto DV na Trilha

Onde nos encontrar

Nos reunimos, quinzenalmente, aos sábados, às 9h no Jardim Botânico de Brasília
SMDB Cj 12 CL - Lago Sul, Brasília - DF, 71680-001

Quando

Contato

Para mais informações: 

Perfil do Facebook 

E-mail: contato@dvnatrilha.com.br

Telefone: (61) 99952-0607

www.dvnatrilha.com.br Copyright © 2012 DV na Trilha. Todos os direitos reservados - Ambiente sujeito a monitoração.

Buscar