POR MÁRIO ROMA: Cape Epic 2011 uma experiência cega

Acabou mais uma Cape Epic. Missão dada, missão cumprida, saí do Brasil com o objetivo de realizar esta epopéia de tandem com o meu parceiro de equipe Adauto Belli deficiente visual. Agora no avião, com o resto que sobrou de mim, avalio esta façanha.

Normalmente quando termino uma prova longa tudo é esquecido logo após cruzar a chegada, mas desta vez não sai o cansaço do meu corpo nem de minha mente os inúmeros segundos de força, medo, respeito e alegrias, não tem como descrever o que vivi com Adauto na Tandem da RC BIKES nestes últimos 8 dias pela África. Minha sensação é que teria de dar uma volta ao mundo de avião para descrever o que vivi e acho que isso se transformaria em um livro de tantos momentos épicos , descidas a mais de 70 kh segurando em meus braços uma bike com mais de 3 metros, 140 quilos e levando atrs uma pessoa cega . Não tinha nem como imaginar correr o risco de uma queda, pois seria algo impossível, a tenção é enorme ao mesmo tempo relatando o que vinha pela frente, quando momentos como esse terminava, vinha as enormes subidas onde a força necessária para vencer os 14000 metros de ascensão que percorremos, é surreal.

Nossos últimos três dias de prova então foram além da emoção, em uma das ultimas etapas nossa amiga Raquel sofreu um acidente e paramos para a socorrer, antes disso já tínhamos tido dois furos e estávamos atrasados mas isso não era motivo para passar reto e ali fiquei com meu parceiro cego e a Raquel completamente ensangüentada e aquela bike enorme e os outros bikers descendo a milhão, tinha de olhar três ações ao mesmo tempo, ficar de olho no Adauto, acudir a Raquel e ter o cuidado de não sermos atropelados pelos bikes descendo em alta velocidade, que sufoco? mas os médicos chegaram e fomos para a segunda área de apoio da etapa, onde a Raquel estando gravemente acidentada deu um shown de boa disposição e humor e mesmo estando naquela situação debilitada, o seu humor prevalecia e eu vivendo todo aquilo em loco, minha cabeça não parava de processar o que estava ocorrendo: piloto de tandem, apoio de cego, fazendo resgate, tradutor, e tudo isso acontecendo e o relógio correndo, após tudo ficar certo e os médicos decidirem levar a Raquel para o hospital, encaixamos nossas sapatilhas e partimos de novo e o tempo ia passando e eu me perguntava em silencio se iríamos conseguir chegar antes do tempo limite de prova, recebemos a primeira informação faltando 30 km que estava apertado o nosso tempo e começamos a fazer uma força para alem do natural, chegamos na placa de 10 km para chegada já exaustos e uma outra informação veio que estávamos em cima do muro para sermos cortados.

Iniciamos então uma verdadeira batalha entre nós mesmos, os dois gemíamos a cada pedalada, o percurso ia ficando mais complicado, entre a dor e a força e o sonho com uma estrada aberta para podermos acelerar a tandem e a realidade era de um piso de areia com calombos que a bike não acelerava de forma alguma, finalmente entramos no singletrack e escutamos o som da área e comentarista dizendo que faltava 43 segundos para o corte, ai não pedalamos, literalmente nos matamos por um single com uma tandem, saímos de uma curva entramos no gramado e o pórtico de chegada estava ali a poucos metros, o locutor e umas boas centenas de pessoas começaram uma contagem regressiva 10,9,8  e nós dois cegamente levantamos na tandem e iniciamos um sprint que não era natural e cruzamos a chegada.no último segundo .A emoção era geral crianças, adultos choravam a pele estava arrepiada de tanta emoção, e nos abraçamos pela conquista pessoal e de equipe inexplicável que tínhamos vivido neste dia, para nossa surpresa o fiscal da UCI caminhou para nós com o alicate na mão e cortou nosso numeral, mas instantaneamente me olhou nos olhos e  comentou: sei o que fizeram lá atrás , mas tenho de seguir o protocolo entrem com recurso e tudo será resolvido e assim foi a UCI mostrou que alem de competição primeiro esta o lado humano em ajudar o próximo nossas placas foram devolvidas e nessa noite comemoramos com um bom vinho tinto e na companhia da Raquel que já tinha retornado do hospital, com algumas saturações, olho negro mas felizmente nada de maior gravidade.

Domingo largamos mais tarde para a ultima etapa, normalmente neste dia já customo me sentir com meia medalha no pescoço, mas desta vez era diferente não tinha essa sensação por perto pois seria mais um desafio ,com o corpo exausto e uma bike difícil de pilotar, largamos e tivemos mais dois furos enquanto isso, Adauto comia e eu trocava câmera, remendava corrente etc etc, mas já estava completamente habituado a esta rotina. Um dia Adauto me falou, Mário ?na terra do cego quem tem  olho é escravo? ótimo lema e  fui me adaptando com essa minha nova patente e vivemos os oito dias sobre esse lema, dentro da prova e fora da prova na maior harmonia rindo todo tempo e executando cada passo que surgia pela frente.  No ultimo dia não foi diferente, apos 68 km a chegada surgiu na nossa frente e lá estávamos os dois dando as ultimas pedaladas para concretizar o objetivo, cruzar a linha de chegada da Cape Epic 2011 de tandem com meu parceiro de equipe Aduto Belli, conhecida por muitos como uma das mais duras provas de Mountain Bike foram 7777 km e 14000 de ascensão em 8 dias de luta, raça, determinação e  muito espírito de equipe.

Meus braços, mãos, costas e calcanhares ainda não os sinto até ao momento, os joelhos tenho a sensação que fiquei ajoelhado por semanas, imaginem ficar sentado em cima de um selim hard tail sem mobilidade por oito dias, mais de sete horas por dia pedalando, o nosso tail foi dorido até sangrar literalmente, só fazendo para poder ter uma pequena noção do que exige um desafio como esse, mas como dizem, No Pain no Gain, o que conquistamos espiritualmente é eterno, uma experiência de vida que para mim não tem comparação nem dor que faça esquecer, conviver estes últimos 10 dias com uma pessoa como o Adauto Belli garanto para vocês que é um MBA de otimismos, força e determinação que não tem igual.

Parabéns a todos que tiveram na Cape Epic 2011 um ano que vai ficar na memória de muitos e um agradecimento especial a Weimar que nos incentivou neste projeto e a minha fiel escudeira e esposa Andrea que sempre me apoia e esta lá presente a todo momento.

Ao meu parceiro Adauto:

Obrigado por me fazer rir quando queria chorar: por me fazer lutar quando estava exausto; por me dizer que suas pernas tambem doiam, obrigado por tudo.
Brasil Soul Team conta com o patrocínio RC BIKES e co-patrocinio Shimano, TAP Portugal. Apoio: Continental - Ergon - Fi?zi:k - Lazer - Refactor - Thule - Topeak

 

Brasil Soul Team

 

Publicado em http://www.esportesite.com.br/2011/04/06/cape-epic-2011-uma-experiencia-cega/

Eventos

Últimas Publicações

Onde nos encontrar

Nos reunimos, quinzenalmente, aos sábados, às 9h no Jardim Botânico de Brasília
SMDB Cj 12 CL - Lago Sul, Brasília - DF, 71680-001

Quando

Contato

Para mais informações: 

Perfil do Facebook 

E-mail: contato@dvnatrilha.com.br

Telefone: (61) 99952-0607

www.dvnatrilha.com.br Copyright © 2012 DV na Trilha. Todos os direitos reservados - Ambiente sujeito a monitoração.

Buscar